quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Evangélicos até onde???

Recentemente estive em Camboriú onde tenho pessoas conhecidas que vivem lá. Estes pertencem à Igreja Evangélica do Evangelho Quadrangular. Porém, mantém contato com diversas pessoas evangélicas de outras denominações.
Contudo, sabe-se que existem muitos evangélicos nesta cidade, e é um ponto de encontro anual dos Gideões. Até aí tudo bem! Mas tenho ouvido histórias absurdas de pessoas que se dizem evangélicas e que agem de forma enganosa, trapaceira, excludente e grosseira.
Quando minha esposa esteve lá, foi quase que obrigada a participar de todos os cultos durante todos os dias da semana, para "firmar um próposito com Deus".
Espera aí... de que adianta frequentar a igreja diariamente se isto não implica numa transformação real de vida!? Se na hora de assumir um compromisso com uma pessoa ou honrar a própria palavra ou o trato feito com alguém são os primeiros a não cumprirem, além de difamarem, brigarem e/ou fazer escandalo? De que adiante ser fiel nos dízimos, ofertas ou "patrocínios", se na hora de pagar a dívida a alguém, seja pessoa, loja ou banco, recusam-se e dão o calote? Será que Deus aceita dinheiro de calote? Certamente a igreja sim!
Bom... estou longe de querer difamar os evangélicos, até mesmo porque tenho muitos amigos e conhecidos, inclusive parentes, que o são. Mas que ética cristã tais evangélicos vivem?
Sei que esta situação não se resume ao município de Camboriú. Mas parte das histórias que ouço são de lá. Inclusive, por citar o encontro dos Gideões, parece ser muito comum a venda de CDs piratas de cantores evangélicos nesse encontro. Aliás, outro fato interessante nesses encontros em Camboriú, inclusive no último encontro, o qual teve a presença do Pastor Silas Malafaia, é que muitas pessoas vem de lugares distantes, e por falta de dinheiro dormem nas ruas e praças de Camboriú. Será que não se abrem mais as portas das casa para receber os viajantes? Um irmão na fé? Pois é... enquanto isso os pastores preletores ficam em hoteis luxuosos e andando de carro importado. Não sou contra a riqueza, mas sou determinantemente contra ao desprezo, exclusão, engano, trapaça e tudo mais quanto prejudica ao próximo ou demonstre falta de amor ao mesmo.

Ricardo Reksidler

Um comentário:

  1. Gostei do assunto, muito real nos dias atuais.
    Tenho uma "tirinha" que fala sobre esse tema. Poderia usá-la para complementar a idéia do texto.
    Pr. Felipe Miranda

    endereço da figura:
    http://www.gospelento.blogspot.com/2012/01/voce-vai-para-o-ceu-gospelento.html

    ResponderExcluir